“SONHAR É ACORDAR PARA DENTRO”

Algum dia você já acordou angustiada, meio que virada do avesso, sem um motivo declarado e sem saber o porquê? Se isso já aconteceu com você, pode ter sido por causa dos seus sonhos. Muitas vezes, nem percebemos que sonhamos; algumas vezes lembramos e eles são tão claros que entendemos, de imediato, o porquê e o sentido deles e, noutras ainda, eles não fazem o menor sentido, embora o tenham.

Os sonhos são atividades mentais que ocorrem durante o sono; são fenômenos motivados e determinados por desejos e conflitos inconscientes; é como uma “fotografia do inconsciente” retratando aspectos da vida emocional; são atividades pouco organizadas do pensamento e que fogem (embora não totalmente) ao controle da censura. Os sonhos são algo muito pessoal e servem para regular o funcionamento psíquico, alimentar a alma (com as imagens geradas internamente) e podem ajudar a processar e assimilar fatos acontecidos, lançando mão do seu arquivo de lembranças estáveis e das experiências diurnas.  Possibilita que você se conheça melhor, ajuda a solucionar conflitos ou até mesmo vencer seus medos. Mas não os tome como verdades absolutas!

RESGATANDO O DESEJO

Quando em 1900 Freud (o “pai da psicanálise”) lançou o livro “A interpretação dos sonhos” causou muita polêmica ao afirmar que os sonhos revelam desejos inconscientes, às vezes inconfessos. Os sonhos têm uma linguagem própria (símbolos), extremamente pessoal e que só fazem sentido dentro do contexto das relações da vida de cada um de nós, por isso são difíceis de serem decodificados e interpretados.

O sono tem diversas fases, mas é na fase REM (caracterizada por movimentos rápidos dos olhos e intensa atividade cerebral) que a maioria dos sonhos acontecem. A maioria deles são esquecidos. Os que estão relacionados a acontecimentos com forte carga emocional são mais prováveis de serem recordados, especialmente se acontecerem logo pela manhã. Depois que acordamos já ocupamos nossa mente com outras coisas e nos desconectamos do nosso mundo interno (dos afetos, emoções e desejos enraizados na história de vida relacional e na estrutura do inconsciente). Mas, o mais importante é garantir um tempo e espaço para vivenciar nossos desejos.

SONHOS NÃO ENVELHECEM

Sonhar é tão importante que está ligado à origem da vida – os fetos sonham cerca de 8 horas diárias. Cada detalhe pode se constituir numa peça chave para o auto-conhecimento e são balizadores do nosso funcionamento psíquico: os sonhos recorrentes são um sinal claro de que algo precisa ser resolvido e sua origem pode estar tanto no passado como no presente. Até mesmo os pesadelos  servem para nos colocar em contato com questões difíceis, ligadas ao nosso medo e ansiedade e nos mostram que precisamos ficar mais atentos a eles. Os sonhos também são responsáveis por grandes “insigths” – muitos inventores, poetas e músicos tiveram “visões reveladoras” que serviram de inspiração para suas descobertas e criações.

Durante a infância, ouvimos muitos “nãos” (não faça / não mexa) e as palavras tem muito poder, especialmente sobre as crianças que terminam internalizando o “não” (não consigo / não posso) e isso pode interferir na capacidade de realizar nossos desejos. Desnude seu coração e sonhe…seu pensamento é livre e, à noite, está mais receptivo a receber os “sinais” do seu inconsciente. Sonhe com uma vida melhor, com o tempo da delicadeza… crie possibilidades para viver o prazer, o amor e a felicidade. Resgate sonhos antigos e crie novos. “Uma vida não basta apenas ser vivida: também precisa ser sonhada”. Tenham todos bons sonhos!

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.