“SÃO DEMAIS OS PERIGOS DESTA VIDA, PARA QUEM TEM PAIXÃO…”

Quem nunca sentiu os efeitos da paixão? Pode-se até negar, mas não dá para evitar sentir porque o corpo denuncia: o coração bate mais rápido, a pressão arterial sobe, as mãos tremem, a garganta fica seca, o estômago aperta, o olhar fica distraído, o pensamento se perde, o raciocínio se atrapalha, o desejo sexual aumenta, uma sensação de euforia se instala e ainda ficamos com cara de bobo. A paixão é um sentimento universal e avassalador, é um emaranhado de emoções capaz de acabar com qualquer rotina, que nos faz ficar totalmente voltado para o outro, ilumina nossa vida tornando-a mais interessante, nos faz perder o sono, sonhar acordado, modifica nosso jeito de viver, pois, fazemos o impossível para estar ao lado do outro, já que somos incapazes de tirá-lo da cabeça. A paixão nos faz perder a noção de tempo e faz a vida parecer mais bela.

Quanto tempo dura a paixão? A paixão não foi feita para se eternizar, é um sentimento efêmero. Embora ao estarmos apaixonados, acreditamos ter encontrado o homem ou a mulher da nossa vida (pode até ser!), pesquisadores estimam que a paixão dure até 36 meses. Mas, estar apaixonado(a) é uma experiência absurda de prazer, portanto devemos é eternizar momentos.

A PAIXÃO É O COLAPSO DA RAZÃO

Na paixão, idealizamos o outro, que só possui qualidades, exatamente as que desejamos em alguém, pois o que não corresponde aos nossos interesses não registramos, afinal, fomos feitos um para o outro (“…tudo o que eu quero você tem. Assim não dá…”). o outro passa a ser uma idealização, uma projeção dos nossos desejos e como tal, podemos estar projetando nele características e qualidades que ele pode não ter. com o tempo, essa ilusão pode ser desfeita, o indesejado se revela, e então percebemos as imperfeições do parceiro. E aí? Ou, aceitamos as diferenças e as dificuldades, saindo do plano ideal para o real e transformamos essa paixão numa relação amorosa ou por nos sentirmos enganados a relação termina, restando mágoas e rancor pelo fato do outro não corresponder as nossas expectativas. Na verdade, fomos traídos pelo nosso desejo idealizado e não enganados pelo outro.

Diz-se que o amor nasce da paixão, mas isso nem sempre é verdade, pois, muitas paixões acabam sem virar amor. Eu acredito que, se nós conseguirmos sair do plano da idealização e aprendermos a lidar com a realidade, sem perder o encantamento, quem sabe a paixão evolua e se torne “um amor apaixonado”.

PAIXÃO X AMOR

Paixão e amor são coisas diferentes (mas tem parentesco). A paixão não vivida dói e a vivida também, pois o apaixonado deseja possuir o outro, mas parece que ele escapa sempre.todos nós sentimos uma felicidade imensa em viver uma paixão correspondida, mas precisamos aprender a lidar com a possibilidade da perda. Quando a paixão se transforma em amor o próprio corpo se acalma, já que o amor é um sentimento mais tranqüilo, que acontece por dentro, que exige intimidade, troca, proteção, cuidado, cumplicidade e nasce da realidade e não da fantasia. Só o amor amadurece e é necessário que exista uma disposição interna para que ele possa acontecer. Dizem que o amor é cego, mas, na verdade, é a paixão que nos deixa cegos, nos desassossega e enlouquece.

Eu continuo acreditando na possibilidade de se viver uma grande paixão e que ela se transforme em amor, já que somos livres para viver relações que nos deixem felizes. Ainda não aprendi o segredo de encontrar alguém e caminhar junto, mas vou continuar tentando, já que “O amor não tem pressa e pode esperar”.

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.