POSSO DORMIR COM VOCÊS?

 Imagino que seu filho(a) já lhe fez essa pergunta várias vezes. Ao fazer esse pedido, as crianças criam toda uma estratégia na qual fazem parte choro,  chantagens e barganhas e os pais terminam caindo (por sono, cansaço, culpa, saudade, insegurança…). Com certeza, dormir agarradinho com os filhos é muito gostoso, mas a criança deve ter seu espaço para que possa ter um desenvolvimento psíquico adequado, além do que ela não deve partilhar da intimidade dos pais – isso é coisa de casal. É importante que o quarto do seu filho, desde bebê, seja um local em que ele se identifique e se reconheça e contenha o que lhe é íntimo e pessoal – sua cama, seus brinquedos, seus livrinhos, suas roupas…e, quando ele ficar “grandinho”, que possa interferir na decoração, junto com irmãos, se eles dividirem o quarto.

A imaginação da criança é sua realidade e a faz criar monstros que dormem em baixo da cama, fazem barulho dentro do armário e saem dos filmes de terror diretamente para o quarto deles. Na verdade, muitas vezes, as crianças se assustam com os barulhos noturnos, ficam com medo e procuram refúgio no quarto dos pais. Converse com ele sobre esse medo, vasculhem o quarto e a casa juntos e mostre-lhe que não existe nada de perigoso ou ruim. Educar é isso!. Para que seu filho possa crescer  e se tornar uma pessoa independente e confiante, é necessário que ele consiga enfrentar seus medos no seu próprio espaço, rompendo a dependência emocional dos pais. Assim, ele não se intimidará diante do desconhecido. A condição básica para ele voltar a dormir é se sentir em segurança e para isso basta que saiba que os pais estarão por perto, caso precise.

O mais difícil não é convencer a criança a dormir no seu quarto e sim convencer aos pais de que isso não é saudável. Na menor chantagem eles cedem! Deixar o filho dormir no quarto do casal é abrir mão da intimidade de uma vida sexual prazerosa. Acontece que, muitos pais, utilizam-se da presença dos filhos justamente para evitar fazer sexo com o companheiro(a) ou como pretexto para adiar uma discussão. Pais separados ou viúvos também não devem permitir que o filho ocupe o lugar na cama do genitor(a) que saiu ou faleceu, pois isso provoca danos psicológicos, criando na criança uma responsabilidade em ter que substituir alguém, o que gera muita ansiedade e angústia.

Pra manter seu filho no quarto dele, crie um ritual de afetos e cuidados associados à hora de dormir: estabeleça horário; cante e conte histórias (nada de cuca vem pegar, nem bruxas más); coloque travesseirinho ou bichinhos na cama; reze oração do Santo Anjo; embrulhe-o, beije-o e abrace-o e se ele acordar e chorar, procure atendê-lo no quarto dele. É claro que vão existir exceções mas, o ideal será sempre o de cuidar do filho no quarto dele. Chantagens virão, porém  saber dizer não com firmeza e carinho é educativo e necessário para que nossos filhos cresçam preparados para lidar com a vida, aprendam as regras e valores sociais, a resguardar a sua individualidade e a respeitar a dos outros .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *