NOITES EM CLARO

Quando Gabriel Garcia Marques,  há 40 anos, escreveu o romance “Cem anos de solidão” (um de meus livros prediletos), ele descreveu a peste de insônia que se abateu sobre Macondo (e a insônia não era um problema mundial), parece que estava vaticinando algo! Hoje, a insônia (dificuldade para iniciar e manter o sono) atinge milhões de pessoas, sendo conseqüência, principalmente, da urgência estressante da vida moderna e da forma como as pessoas lidam com os seus problemas. Nós estamos dormindo cada vez menos e pior. Em média, as pessoas adultas precisam dormir de 7 a 8 horas por noite para acordar bem dispostas, mas isso independe da quantidade de horas dormidas (para algumas pessoas dormir 5 a 6 horas é o suficiente). Convivemos com muitos estímulos que nos convidam a vigília, mas a necessidade de sono, além de uma determinação genética, interfere em nossa qualidade de vida e é essencial para se ter saúde: relaxa os músculos, protege o sistema imunológico, facilita o raciocínio, o aprendizado e a criatividade, melhora a memória, diminui as rugas… e até emagrece.

O INFERNO DAS HORAS

Desde que nascemos, o momento de dormir é pontuado por diversos rituais repletos de carinho e proteção. Nada mais aconchegante do que dormir nos braços da mãe, ouvindo as batidas do seu coração e sendo adormecidos embalados pelo seu amor. É, mas crescermos e passamos a conviver com a desproteção da vida e suas circunstâncias.

A privação do sono é um sofrimento atroz. Sem conseguir dormir, as horas parecem infernais,  as noites eternas e você passa a conviver mais de perto com a tristeza, a desesperança, o cansaço, mal humor… e fica mais predisposto a desenvolver doenças (diabetes, hipertensão…). Ter dificuldade para dormir em função de preocupação de ordem financeira, afetivas, relacionais… é normal, mas quando essa dificuldade ultrapassa o período de três semanas, passa a ser sinal de que a insônia se tornou crônica e precisa ser tratada. “Quando a insônia me convence que essa solidão é o céu, uma calma congelada paralisa a minha dor e o dia nasce azul e feliz; o mundo acorda e eu vou dormir”.

APRENDA A DORMIR

Não é fácil lutar contra a insônia. O esforço que fazemos tentando dormir, acaba por agravar essa dificuldade e nossas preocupações aumentam (será que eu estou doente / como vou conseguir trabalhar amanhã). Mas a insônia é um sintoma (e não uma doença) decorrente de distúrbios orgânicos e/ou psíquicos e deve ser entendida dentro do contexto de vida da pessoa. A fim de ajudar a descobrir as causas da sua insônia faça um diário de sono, anotando os horários que você dormiu e acordou e também uma lista das preocupações que passaram pela sua cabeça na hora de deitar.

Próximo da hora de dormir, evite: tomar café, chá, chocolate e outros estimulantes; fumar e ingerir bebidas alcoólicas (pode até dar sono, mas ele será de péssima qualidade); fazer refeições pesadas; muita estimulação visual (televisão, computador). O ideal é que você procure relaxar: crie um ambiente aconchegante (pouca luz no quarto, temperatura agradável, cama confortável…); leia; ouça música; assista filme (nada que tensione); estabeleça um horário constante para dormir e acordar; tome um banho morno; exercite-se regularmente (mas não próximo da hora de dormir); lembre-se de coisas boas que já aconteceram em sua vida e sonhe com outras; tenha relações sexuais (após o orgasmo as pessoas tendem a ficar sonolentas, além de muito felizes, claro!). Faça as pazes com seu travesseiro e marque um encontro, diariamente, com Hipnus (deus do sono) e Morfeu (deus do sonho).

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.