NÃO SE CASEM APAIXONADOS!

 

Não, você não está lendo errado e nem o título desse artigo saiu trocado. É isso mesmo! O ideal é que as pessoas não decidam se casar num momento de paixão, pois envolvidos por esse sentimento avassalador que provoca tantas emoções e coloca o outro como uma projeção de todos os seus desejos, o risco de você fazer uma escolha inadequada é grande. Então, se você já viveu uma paixão, sabe do que eu estou falando: para um apaixonado, as qualidades do outro são sempre potencializadas, as afinidades valorizadas e os defeitos quase não são percebidos.

A paixão costuma acontecer de repente e de forma natural, mas tem seus mistérios e caprichos. Chega sem pedir licença! Você conhece alguém e, sem que você tenha controle, o seu coração passa a bater acelerado, a pressão arterial sobe, a sua alma se ilumina, o pensamento se atrapalha, o sorriso surge fácil e no encontro com o outro tudo vira possibilidade. Assim, ao chegar à conclusão que não dá mais para viver longe de quem se tornou tão essencial em sua vida, o casamento passa a ser a garantia de sua felicidade e você acredita vai acontecer para sempre.

CÚMPLICES NA VIDA

Pois é, até aí tudo é só alegria! Mas acontece que a paixão acaba (segundo os estudiosos no assunto dura cerca de dois anos a dois anos e meio) e ao acabar o indesejado se revela e tudo o que foi anteriormente idealizado se torna real. As diferenças aparecem, o tudo o que eu quero você tem, não existe mais e as qualidades e os defeitos são percebidas na forma e no tamanho que possuem. O outro deixa de ser uma projeção dos nossos desejos e passa a ser visto sob uma nova perspectiva, a da realidade objetiva.

Quando a paixão acaba as diferenças se tornam marcantes e então ou o desencanto se instala e passamos a ver o outro com o olhar da impossibilidade e o relacionamento termina ou aceitamos o outro como ele realmente é, com seus defeitos e virtudes, com suas contradições, com seu lado luz e seu lado sombra e passamos a amá-lo e a querer construir juntos uma vida onde a lealdade, a cumplicidade, o afeto, o prazer e o respeito se façam presentes de forma marcante e iluminem a nossa caminhada.

AMAR E SER AMADA

É assim, a paixão pode virar amor e o relacionamento continua a existir, só que de uma forma mais suave e tranquila ou terminar, restando a sensação de que o outro o enganou ao se mostrar de uma forma tão diferente do que ele de fato é, mas na verdade o seu desejo idealizado foi o grande responsável pelo seu engano. Você pensa conhecer o outro, mas ele passa a lhe surpreender muito com suas opiniões, com suas atitudes, com a sua maneira de ser e, principalmente, com as suas escolhas na vida.

Por tudo isso é que casar muito apaixonado pode ser muito perigoso porque a idealização do outro sempre é grande, ao passo que se você vive a paixão com todo o arrebatamento e intensidade e espera o amor pedir passagem para se instalar na sua vida, com certeza, você minimiza os riscos de uma grande decepção. A verdade é que a vida não dá certezas para ninguém, mas nosso sonho de vida a dois traz sempre uma expectativa de reciprocidade, por isso amar requer investimento, atitudes e cuidados.

O amor acontece nos detalhes, na serenidade dos vínculos e na disponibilidade interna dos parceiros para dar e receber afetos. Seja feliz e cuide bem do seu amor!

 

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.