“MEU TEMPO É QUANDO”

Nós costumamos medir a vida através da idade. Mas, viver é muito mais do que a contagem do tempo, como um fato da natureza ou como algo que pertence à mente. Nosso tempo na vida deve ser marcado pela batida do coração; pela intensidade da respiração; pela sensação na pele e por todas as histórias vividas.

Jorge Luís Borges (maravilhoso escritor e poeta argentino), sabiamente, nos diz “o tempo é a substância de que sou feito” e o não menos maravilhoso Mário Quintana (poeta gaúcho) define o tempo como “a insônia da eternidade” e, muito antes de Cazuza, já afirmava: “o tempo não para! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo”. Na verdade, o tempo é contado pela intensidade com que vivemos: passa muito devagar nos maus momentos e muito depressa quando é algo que queremos e nos dá prazer. Quando se quer, se cria tempo e oportunidade. Quando o desejo é grande se busca a concretude ou, pelo menos, se tenta andar onde há espaço, valorizando pessoas e momentos.

O TEMPO NÃO PÁRA!

As crianças acham que o tempo passa muito devagar – o desejo delas é o de rapidamente crescer para poder fazer coisas que não lhes são permitidas (ficar acordadas até mais tarde; voltar da escola sozinhas; decidir a hora em que devem comer, estudar ou tomar banho…), além de reclamar sempre de que “não tem nada pra fazer”. A partir da adolescência, o tempo se acelera e o desejo é o de ter e fazer tudo e, se possível, ao mesmo tempo; vivemos reclamando da falta de tempo e viramos escravos do relógio.

Mas, o dia continua tendo 24 horas em qualquer fase da vida. O tempo não muda e nem para! São as vivências que mudam de acordo com a idade; são as nossas ações que fazem o tempo voar, caminhar ou se arrastar. O tempo nos parece acontecer diferente, de acordo com o grau de prazer ou envolvimento com o que estivermos fazendo: na cadeira do dentista (me perdoe meu querido Dr. Rogério); na maca da depilação; num engarrafamento no trânsito; nas filas dos supermercados no final do mês; na sala de espera dos consultórios ou hospitais quando estamos cheios de dor; quando estamos apaixonados e marcamos de encontrar o nosso amor às 20h e o relógio teima em não andar e “o instante de te ver custa tanto a chegar”… nesses momentos descobrimos o que quer dizer uma eternidade.

“O FUTURO É O PASSADO DESEJADO”

Esqueça do tempo marcado pelo relógio. Pense no tempo como algo que nos ensina Zerka Moreno “O tempo é um ladrão impiedoso que nos persegue com seus passos silenciosos. Ele nos rouba assim: a eternidade da juventude, os sonhos do futuro, a nossa própria grandeza. Mas algumas vezes ele também nos traz a sabedoria, a paz e a alegria dos momentos vividos”. E, na transição do passado para o futuro, o tempo é muito mais do que um ponto de vista: é um “compositor dos destinos”. Aprenda a se movimentar nele buscando os benefícios da felicidade. Sabe aquela relação que lhe faz sofrer? Sabe aquele amor que você insiste em não perceber que acabou? Sabe aquela pessoa que está na sua vida e não consegue corresponder às suas necessidades e expectativas mais primárias? Pois é, carimbe o passaporte delas para o passado, pois o tempo é um grande aliado na cura das dores e das feridas da alma; ele ajuda a reconstruir corações e mentes.

Faça do seu presente, um tempo para realização dos seus desejos. O quando precisa estar associado ao presente, para que o futuro não seja a tradução de um passado desejado. A vida é feita de momentos e só as coisas muito prazerosas devem ser eternizadas em nossas lembranças. Feliz vida!

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.