“ME BEIJA E DEIXA O QUE SEJA SER”

O beijo é a demonstração de afeto e intimidade mais difundida socialmente e uma das mais prazerosas também. O beijo é a celebração de um encontro e a promessa de um encanto; é uma troca profunda de intimidade e afeto; é uma forma de acordar o corpo e adormecer a alma; é uma sensação de magia e encantamento que percorre o corpo; é a possibilidade de se fundir ao outro num encaixe perfeito; é uma forma de se eternizar momentos e viver a promessa de um depois… O beijo é uma das maiores e melhores manifestações de carinho e bem querer, sua importância é tanta que funciona como um termômetro, pontuando a qualidade das relações: hoje ele me beijou diferente ou nem me beijou… O que está acontecendo?

A quantidade de terminações nervosas presentes no beijo nos fazem ter sensações agradabilíssimas. Através dele liberamos neurotransmissores (substâncias químicas) que proporcionam a sensação de bem estar e excitação (endorfina, adrenalina, serotonina…), provocando um aumento dos batimentos cardíacos e da pressão arterial e, ainda, ajudam a queimar calorias. E tem gente que pratica esportes radicais, às vezes correndo perigo, como forma de liberar adrenalina. É só beijar!

“MIL COMETAS PERCORRENDO O CÉU DA BOCA”

Um bom beijo (daqueles em que mil cometas percorrem o céu da boca), tanto na vida, como nas artes, é sempre um ladrão de cena. Quem teve a oportunidade de apreciar a exposição das obras de Rodin, quando ela esteve em Belém, deve ter se encantado com a escultura “o beijo”, que reproduz, de forma magistral, dois amantes se beijando. No filme “Casablanca”, a cena de despedida entre Humphrey Bogart (Rick) e Ingrid Bergman (Ilsa) é marcado por um beijo memorável. Até nos contos de fadas, o beijo é retratado com magia e encantamento: ora a princesa dá um beijo no sapo, transformando-o em príncipe; ora é fadada a dormir por 100 anos, em função de um maldição ou bruxaria de uma madrasta má, até que apareça o príncipe, vindo não sei de onde, para salvá-la, acordando-a com o poder do seu beijo, para ficarem juntos para sempre.

As mulheres costumam dar mais importância ao beijo do que os homens e, talvez por isso, resolveram subverter o ritual do beijo preconizado nos contos de fadas e escolhem quem, onde e como beijar, sem se preocupar com falsas promessas de felicidade e muito menos com amor eterno. “Para beijar não precisa amar o parceiro, mas não dá pra amar sem beijar”.

BELÉM, A CAPITAL DO BEIJO

Beijar é muito bom, principalmente quando as bocas se encaixam, se bebem e se devoram num sabor de entrega. Tudo começa com o beijo e quando as bocas não se ajustam e não se acertam, fica difícil o encontro dos corpos e o sexo fica prejudicado e sem entusiasmo. E sem emoção, o beijo serve apenas como uma forma de cumprimento (é um oi sem palavras).

Há algum tempo, assisti a uma entrevista no programa do Jô Soares, onde um estudioso sobre o beijo apresentou uma pesquisa em que Belém aparecia como a capital em que mais se beijava no Brasil. Não sei se continuamos no podium, mas, na dúvida, podemos começar agora mesmo uma campanha para nos eternizar no primeiro lugar, afinal de contas somos um povo extremamente afetuoso. Não estou aqui propondo que se banalize o ato de beijar (beijando todo mundo) e sim que se beije com mais freqüência e intensidade as pessoas significativas em nossas vidas. Se você está fora das estatísticas, se inclua! Neste domingo beije muito!Beije preguiçosamente; beije alegremente; beije ternamente; beije sensualmente; beije carinhosamente; beije amorosamente; beije pra celebrar a vida, pois, como nos diz o sábio Drummond, “o amor é grande e cabe no breve espaço de beijar”. Um beijo em todos vocês.

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.