“ENVELHECER É FATO. NÃO DÁ PRA FUGIR”

A longevidade é uma perspectiva que vem aumentando no mundo todo, inclusive no Brasil, onde a expectativa de vida, hoje, é de 71 anos. E isso  tem modificado o modo de vida, as relações sociais e o próprio conceito da velhice. Confirmar isso é muito fácil: se você tem mais de 40 anos, pegue uma foto da sua mãe (se for mulher) ou do seu pai (se for homem), em que eles estejam com a mesma idade que você e compare. O que você achou? Com certeza, eles parecem bem mais velhos que você, isso porque eles sentiam, pensavam e agiam como alguém que estava “entrando na velhice” diferente de você, eu espero!

Envelhecer é um fato. Faz parte do ciclo da vida e vem para todos nós. Mas, com quantos anos alguém é considerado velho: 60, 70, 80 anos? Isso varia muito e depende da capacidade de cada um de nós, adultos, de preservarmos as características que consideramos mais marcantes e importantes no processo de amadurecimento. Pessoas alegres e com boa auto-estima encaram a vida com mais suavidade, mantendo a curiosidade, redescobrindo e degustando a vida, aprendendo que existem outras qualidades mais duradouras do que a beleza e sabem envelhecer com dignidade.

A IDADE VERDADEIRA

A ciência conseguiu avanços consideráveis no processo de retardar cada vez mais o envelhecimento, através de cirurgias, cremes e outros tratamentos coadjuvantes. É claro que a genética influencia na saúde e no ritmo do envelhecimento, mas as escolhas que fazemos em nossas vidas interferem, inclusive, na genética. A sua idade, a “idade verdadeira” é a que você sente ter; é a que você vive através de suas escolhas; é a que se traduz no seu estilo de vida… e não a que consta em seus documentos. Se você escolheu reclamar e se lamentar, em vez de celebrar, você pode ter envelhecido aos 30, 40 anos… ou até mesmo antes.

Não brigue com o tempo, não desperdice vida com bobagens (com a idade a gente vai ficando mais seletivo), reinvente a vida, se interesse por outras coisas e repense suas escolhas. Eu penso que as mulheres têm mais medo de ficar feias do que envelhecer, afinal de contas, vivemos numa sociedade que privilegia a aparência física. Escolha a idade que você quer ter, sem perder a noção de ridículo (isso é muito importante), respeitando os limites do seu corpo e preserve o bom-humor. As pessoas bem-humoradas são sempre mais amadas e mais interessantes.

ESCOLHA SUAVIZAR A VIDA

É possível conviver muito bem com as marcas do tempo. Viver bem é não ter a sensação de que deixamos de fazer as coisas; é não ter que constatar que “devia ter amado mais, chorado mais… ter arriscado mais e até errado mais…” saiba que é possível, mesmo aos 60 anos, continuar sendo uma pessoa extremamente bela e interessante – o Chico Buarque, sessentão, continua sendo o sonho de consumo de muitas mulheres (meu também).

Poucas pessoas se preparam para a velhice. Não importa a sua idade, comece agora: faça um planejamento financeiro para poder continuar dona(o) do seu “destino”; mantenha-se intelectualmente ativo; tenha uma vida social e cultive suas amizades; expresse suas emoções; invista em cultura (leia, vá a shows, teatros…); cuide de sua alimentação e pratique exercícios físicos; durma bem; tenha uma vida sexual ativa; cultive a alegria e o bom-humor; mantenha a curiosidade diante da vida; faça planos a médio e longo prazo; tenha saudade do que você ainda não viveu e realize seus sonhos.

Escolha suavizar sua vida, complicando menos e exercitando mais a alegria e o amor.

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.