“DIREITO A PRIVACIDADE”

Com freqüência, ouço no consultório a mesma reclamação dos pais que têm filhos adolescentes: “meu filho, quando está em casa, passa o tempo todo trancado em seu quarto e não participa da vida familiar”. Se por um lado os pais sentem-se  tranqüilos ao sabê-los em casa, livres dos perigos da rua,  por outro lado preocupam-se por não terem acesso ao que acontece lá dentro do quarto, ou melhor, imaginam que,  provavelmente, eles estão na internet (Orkut, MSN e twitter), ou  falando ao telefone, ou ainda assistindo a TV mas, ficam sem controle do que é visto, ouvido e falado, assim a preocupação continua grande.

Desenvolver intimidade  e manter a privacidade são movimentos saudáveis dos adolescentes em sua busca pela diferenciação e autonomia com relação aos pais, contudo isso não precisa acontecer de uma forma que gere tanto conflito na família. Os filhos podem trancar a porta do quarto e viver a sua privacidade e os pais tem o direito de entrar no quarto deles e saber o que está acontecendo  lá dentro e na vida deles.

Estabelecendo limites

Na adolescência os jovens vivem a necessidade de se diferenciar dos pais  e agir de acordo com as suas próprias convicções. Como passam a valorizar muito as amizades podem ter algumas condutas que sabem que os pais não aprovariam, mas que são consideradas normais e adequadas no grupo de amigos e, como precisam muito pertencer a um grupo, tornam-se muito suscetíveis as pressões sociais.

O papel dos pais é o de ajudar os filhos a crescer e prepará-los para a vida e esse espaço de crescimento vai sendo ampliado de acordo com a maturidade e a responsabilidade demonstrada pelos filhos. Mas, se durante esse percurso você tiver motivos para desconfiar que seu filho anda lhe mentindo e que pode estar vivenciando coisas não compatíveis com a idade deles ou com os valores familiares (tipo estar usando drogas), você tem o direito de vigiá-lo e de invadir sua privacidade pesquisando as chamadas e mensagens no celular dele, verificar as postagens e os contatos na internet, as comunidades que ele freqüenta… O politicamente correto nesse caso é exercer o seu papel de pai e mãe e garantir a integridade física e emocional dos filhos.Há um limite claro entre invasão e omissão, por isso exerça seu poder e autoridade sempre que necessário para proteger seu filho.

Treino para a vida adulta

Quando nossos filhos são criança a gente insiste para que eles durmam no quarto deles pois assim a gente vai poder trancar a porta do nosso quarto e viver a  intimidade com privacidade. Quando eles se tornam adolescentes, não querem mais viver no nosso quarto e passam a,  trancar a porta do quarto deles, aí a gente se incomoda por não ter controle sobre o que acontece lá dentro. A adolescência é um treino para a vida adulta e caso eles não nos dêem motivos para desconfianças como mentiras recorrentes ou suspeitas de envolvimento com algo condenável ou arriscado, relaxe e deixe-o é preciso que a gente deixe-o experimentar, errar e aprender com a vida.

De qualquer forma e em qualquer circunstância o diálogo é a melhor forma de entendê-los, de orientá-los de, ajudá-los a respeitar e estabelecer limites, de ensiná-los que eles não podem fazer tudo o que querem e  de que toda conduta tem uma conseqüência e de que nós estaremos sempre por perto para protegê-los e amá-los.

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.