Continua sendo bom para você?

Cansaço, rotina, falta de tempo, ansiedade, tensões com a vida moderna, problemas no trabalho, preocupações com a saúde, contas a pagar, medo de não corresponder às expectativas do parceiro, falta de encantamento… tudo isso interfere no desejo e atrapalha a vida sexual dos casais. Fique atento! Não deixe que o desejo se dilua na rotina ou deslize nas mágoas e ressentimentos.

Falar de sexo ainda é tabu entre os casais, ainda mais se as coisas na cama não andarem muito bem. O diálogo franco e aberto é fundamental para melhorar o sexo, sem ter medo de decepcionar o vizinho do travesseiro. Além do que, conversas sinceras e afetuosas sobre o assunto servem não só para resolver dificuldades mas, também, para aumentar o prazer. A vida sexual funciona como um termômetro na qualidade dos relacionamentos. Cultive a capacidade de encantar o seu parceiro – é mais fácil ter desejo por quem se admira. Fazer sexo está ligado ao desejo de viver, além do que, como diz o ditado, “mesmo quando não é muito bom, sexo é ótimo”.

HOJE NÃO, TÁ?

A freqüência com que o sexo ocorre depende do ritmo de cada casal e das circunstâncias do momento da vida deles. Tesão em baixa pode acontecer com todo mundo, mas não precisa se tornar uma tragédia. As mulheres, historicamente, inventam dor de cabeça, TPM, cólicas menstruais, necessidades de providenciar coisas na cozinha ou ter que atender às demandas dos filhos, cansaço… para poder dizer para os parceiros, hoje não, ta? As coisas não precisam ser assim. Homens e mulheres podem e devem assumir sua vontade, ou não, de fazer sexo.

Entre os fatos que podem provocar a diminuição do desejo, está o nascimento dos filhos. Há mulheres que logo depois da gestação recuperam o desejo sexual, outras demoram mais. Assumir um novo papel (de mãe / pai), não representa ter que abandonar o anterior (o de mulher). Muitos casais acabam esquecendo-se que são um casal. Isso sem falar que ao se tornarem pais, deixam de se chamar pelos nomes ou formas carinhosas (amorzinho, amado…) e passam a se chamar de “pai” e “mãe” (virou incesto?). Adivinhem quem vira o mau amor? O bebê. Que baita confusão,não!

O amor precisa ser cultivado, e a melhor maneira é que os casais nunca deixem de ser namorados. O namoro não precisa terminar com o casamento, muito menos representar o fim de um desejo de conquista. Um casamento sem namoro é um compromisso com a obrigação e não com a emoção.

SENTIR-SE DESEJÁVEL É O SEGREDO

 Tenha atitude: converse sobre seus desejos e preferências; incremente sua vida sexual dando asas às suas fantasias; reserve um tempo pra vocês; tenha uma vida interessante; brinque, faça massagem; não tenha preconceitos e se permita descobrir sensações diferentes; prolongue as preliminares; preserve a privacidade (não deixe que os filhos invadam o seu quarto); concilie vida familiar e erotismo; viva momentos inesquecíveis; cuide da sua aparência; surpreenda seu parceiro; crie um clima de romantismo e erotismo; beije com alma, abrace com o coração, olhe com paixão, se vista de carinho e faça sexo com muita vontade.

O segredo da atração sexual é nos colocarmos disponíveis para a vida, confie no próprio erotismo. Sexo não é só sexo e sentir-se desejada é muito bom. É maravilhoso se viver “um amor tranqüilo com sabor de fruta mordida”, assim o sexo vai continuar sendo muito bom, para ambos.

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.