AH! COMO EU TENHO ME ENGANADO!

É muito fácil e cômodo apontarmos o dedo para o outro e  acusá-lo de nos ter enganado. Não que isso seja impossível de acontecer, pois o nosso parceiro amoroso pode ser dissimulado, inventar histórias, deturpar fatos, criar situações, manipular circunstâncias, articular provas e até mesmo nos convencer de que nós estamos erradas em nossas percepções e convicções. Ops, eu falei nos convença? Acho melhor revermos essa história de outra forma e então nos perguntar, qual o nosso papel nesse enredo? Por que nós acreditamos? Por que nos deixamos nos enganar? Como não percebemos o que de fato está acontecendo?

Às vezes, não queremos ver, nossos desejos interferem tanto em nossas percepções que preferimos acreditar no que gostaríamos que fosse. A idealização da realidade nos leva a fechar os olhos para algumas evidências e assim, as contradições viram detalhes.  Tudo bem que tem gente que é artista, que se vende muito bem, que argumenta de forma tão enfática que convence, mas não perceber a realidade também pode significar que você não esta olhando o outro como deveria olhar e como bem diz um provérbio cigano ”quando não se quer ver, para que serve uma estrela?”.

O QUE MUDOU?

Um dia, por descuido ou poesia você acorda e percebe que o silêncio entre vocês se torna incômodo; que não aproveitam mais o tempo juntos e nem planejam mais os fins de semana; que a rotina da vida do outro se altera, seus hábitos se modificam e ele nem se preocupa mais em disfarçar; que o desejo desaparece e a qualidade do afeto muda; que as trocas entre vocês não são mais produtivas e saudáveis; que o diálogo fica escasso e tudo entre vocês parece estar instável, irregular e sem propósito. Ao perceber que as demonstrações de amor e as delicadezas entre vocês estão ficando ocasionais ou inexistentes, não perca tempo e nem se engane achando que vai passar. As mudanças não acontecem do nada, sempre tem um motivo e, sendo assim, é fundamental entender o que está acontecendo para que você tome uma atitude.

Não espere que o outro lhe procure para tentar qualquer coisa. Tome à dianteira, chegue até o seu companheiro e para que ele não vire ex-amor, fale o que você está sentindo e percebendo e, mesmo que ele diga que não é nada, proponha então que vocês conversem sobre necessidades e desejos.   Você pode perceber mudanças de atitude, mas não pode saber o que se passa na cabeça do outro e para que você possa sair do terreno das conjecturas, é necesário que juntos possam chegar a um entendimento.

PARA QUE A EMOÇÃO SOBREVIVA

                Se não tiverem o cuidado de manter um olhar amoroso no parceiro e na relação, diante de tanta correria e estresse do dia-a-dia, vocês correm o risco de se perderem ou se desencontrarem um do outro. Não se afastem muito, mas também não fiquem tão perto, a ponto de ficarem sem espaço para respirar.

O amor só cresce na liberdade, mas isso não inclui que cada um se movimente para o seu lado e faça o que quiser. Para ser casal, tem que sonhar e planejar a vida juntos, sabendo que vão ter momentos e espaços na vida do outro que serão pessoais, que os desejos de vocês nem sempre serão os mesmos, mas muitas vezes serão os mesmos. Deixe a vida fluir sem se opor, mas fique atenta as mudanças que por certo acontecerão na vida de vocês. Seja leal ao seu amor. Mentir para o parceiro desgasta a relação, mentir pra si mesma é auto sabotagem. O mais importante é que e amor por você e se possível pelo outro, sobreviva!

 

Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.