• ORGASMO: O GRANDE OHHHHH!

    A revolução sexual na década de 60 possibilitou uma liberação maior da sexualidade fazendo com que houvesse avanços significativos na “política do prazer”, mas, mesmo assim, as mulheres do novo milênio ainda têm problemas em viver a sua sexualidade, principalmente em razão de fatores culturais, religiosos e familiares, pois a repressão sexual impede a expansão das “fantasias eróticas” tão importantes e necessárias para se atingir o orgasmo.

    Explicar o que se sente no orgasmo não é uma tarefa fácil, mas, apesar de durar poucos segundos, dá pra se perceber que se está tendo um, pois a sensação de prazer é absurda: o coração dispara, os músculos da pélvis se contraem aceleradamente e você perde a consciência do aqui e agora e sua percepção de tempo fica distorcida; há uma perda rápida de controle dos sentidos e parece que o mundo até parou; uma liberação forte de energia seguida de um preguiçoso relaxamento nos faz sentir que existir vale a pena; é a experiência psicológica de abandono mais intensa que se pode sentir. Realmente, não há sensação corporal mais intensa e prazerosa e que contribui fundamentalmente num relacionamento amoroso. Entretanto e infelizmente, 10% dos homens e 30% das mulheres nunca sentiram um orgasmo.

    PRELIMINARES SÃO ESSENCIAIS

    O orgasmo feminino não é igual ao masculino: o homem precisa de um tempo para se recuperar e poder gozar novamente; já a mulher, se estiver com desejo e for bem estimulada, pode ter orgasmos sucessivos (a natureza foi muito pródiga com as mulheres). A capacidade de sentir prazer é pessoal e depende do conhecimento do seu corpo; da interação com o parceiro(a) e da capacidade de fantasiar. Vários fatores interferem no seu desempenho sexual como um todo e na sua capacidade de atingir o orgasmo: estresse, baixa auto-estima, ausência de encantamento com o parceiro(a) e com o relacionamento, monotonia, falta de sintonia, aspectos pessoais, circunstâncias de vida e o conhecimento sexual e pessoal adquirido ao longo da vida. Contudo, é certo que a maior parte das causas em não se conseguir atingir o orgasmo são de ordem emocionais.

    Em qualquer circunstância as preliminares são essenciais para que o processo de excitação comece. Valorize o beijo, o toque, o carinho, o aconchego. As carícias ajudam a criar um clima de encantamento, tão necessário para que aconteça o prazer maior, que lhe tira do sério, bole por dentro e vira do avesso.

     DEZ SEGUNDOS DE PURO ÊXTASE

    O orgasmo é o auge do prazer sexual: são cerca de dez segundos de intenso prazer, tanto para os homens como para as mulheres. O auto-conhecimento é absolutamente necessário para se ter prazer, portanto, descubra quais as regiões do seu corpo são mais gostosas de ser tocadas; toque-se sem inibições e preconceito e identifique as áreas corporais de maior sensibilidade.

    Converse sobre sexo, prazer, orgasmo com seu parceiro; indique para ele em quais os lugares do seu corpo você sente mais prazer em ser tocada; diga o que mais gosta de fazer; quais as posições lhe excitam mais. Não adianta querer agradar o parceiro(a) e fingir o orgasmo, afinal de contas sintonia na cama é poder falar e fazer valer o desejo e não necessariamente gozar juntos (o orgasmo simultâneo é difícil e não significa mais prazer ou sintonia). A capacidade de sentir prazer depende das respostas do seu corpo e do seu parceiro. Deixe os problemas fora da cama, sexo é prazer e liberdade!

    Permita ao seu corpo inventar e viver o prazer!

    Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *