• CADÊ O DESEJO QUE ESTAVA AQUI?

     

    Os homens costumam reclamar que as suas mulheres, quando não estão a fim de transar com eles, inventam que estão com dor de cabeça, cólica, tensão pré-menstrual ou qualquer outra coisa no gênero, porém, o que pode parecer uma desculpa arranjada por elas, muitas vezes não ocorre em função de uma escolha. Na verdade, muitas mulheres nem sabem, mas padecem de uma disfunção chamada Transtorno de Desejo Sexual Hipoativo (TDSH), que inibe a vontade delas fazerem sexo – esta falta de desejo crônico atinge 35% das mulheres brasileiras, provoca instabilidade conjugal e causa prejuízos à saúde.

    Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-IV), o Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (o termo hipoativo significa diminuição do interesse) é “uma disfunção sexual caracterizada pela deficiência ou a ausência persistente ou recorrente de desejo ou fantasia sexual para a atividade sexual, conduzindo a acentuado sofrimento e dificuldades interpessoais”; o TDSH pode ocorrer tanto em homens como em mulheres, mas atinge principalmente as mulheres.  Para ser considerado um transtorno, é preciso que a falta de desejo ocorra durante muito tempo (por meses, às vezes até anos) o que é muito diferente da pessoa, eventualmente, não estar a fim de transar por estar cansada, por exemplo.

    A falta de libido envolve muitos fatores, que incluem fatores biológicos (variações hormonais, gravidez, menopausa, doenças crônicas, efeitos colaterais de medicação…); psicológicos (depressão, ansiedade, estresse, traumas…); culturais (educação repressora, crenças religiosas…) e fatores relacionais (rotina, tédio, mágoas, incompatibilidade na cama…).  De um modo geral, os homens foram educados e incentivados a quererem sempre fazer sexo (prova de virilidade), enquanto muitas mulheres ainda têm dificuldade em assumir que   têm   desejo sexual e, mais ainda, a falar sobre suas preferências sexuais.

    A diminuição do desejo não ocorre de uma hora para outra, é algo que acontece lentamente, por isso muitas mulheres nem percebem o que está acontecendo e atribuem a sua falta de desejo unicamente à exaustão provocada pelo excesso de trabalho ou pela preocupação com algo que esteja pontualmente acontecendo com os filhos ou ainda, pelo fato de estarem magoadas com os parceiros e sendo assim, não desejam ir para a cama com eles. Sem dúvida, estes fatores atrapalham, mas a ausência de libido no TDSH não se resolve descansando, fazendo as pazes com o marido ou encontrando uma solução para o problema do filho.  Mesmo em condições de calmaria o TDSH se faz presente!

    A sexualidade corresponde a um aspecto central da vida humana, e para que aconteça de uma forma prazerosa e constante é necessário que exista um clima de fantasia, de sonho, de pensamento, de receptividade do parceiro, de cheiro, de sabor, de ambiente acolhedor…  A presença de estímulos é necessária para aguçar a vontade e acender o desejo. De um modo geral, as mulheres bem mais que os homens, precisam ser estimuladas para que o desejo aflore, por isso reclamam tanto da falta de beijo, de preliminares e de emoções.

    O sexo é o termômetro dos relacionamentos, por isso quando a vida sexual de um casal não vai bem pela ausência de desejo de um dos parceiros, inevitavelmente o relacionamento entra em crise e pode ficar doente para sempre. Casamento sem sexo vira irmandade. Se você perceber que sua libido está diminuindo procure entender o que está acontecendo com você e com o seu corpo e, se for o caso, busque ajuda especializada.

    Post Tagged with

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *